Tem a sensação que o verão não passou por Curitiba? Calma, ainda dá para aproveitar antes que a estação acabe; veja o roteiro de ecoturismo

Salto São João, com 85 metros de altura, é um dos mais conhecidos de Prudentópolis. Foto: Divulgação/AEN.

Os primeiros meses do ano foram chuvosos em Curitiba contribuindo para a sensação de que o verão nem apareceu em Curitiba. Mas ainda dá tempo de curtir uns dias de calor antes da estação acabar. Uma boa maneira é explorar locais de ecoturismo no estado. O Viver Bem consultou agências de ecoturismo que atuam na capital e selecionou seis dicas de passeios para se refrescar no calor.

Antes de se aventurar pelas cachoeiras e pelas trilhas dentro da Mata Atlântica, é aconselhável seguir algumas dicas para garantir segurança. Segundo o condutor de turismo na agência Ecoventura CWB, Marcelo Ávila, os caminhos tem sido cada vez mais procurados, mas é preciso prestar atenção também nos perigos.

Cuidados

Marcelo cita como exemplo a cabeça d’água. O fenômeno ocorre quando chove forte na Serra do Mar e o nível de água do rio sobe rápido, mesmo sem que a chuva chegue ao local em que os turistas estão. “O risco é grande no verão de você entrar no rio e ser vítima de tromba d’água e ser arrastado pelo rio, como já teve alguns casos no litoral. Vejo grupos no Facebook organizando eventos e desconsiderando esse risco”, afirma.

Ávila aconselha que os passeios sejam feitos na companhia de condutores ou pessoas que conheçam as cachoeiras. O turismólogo Marcyo Lopes, da agência Paraná Ecoturismo, reforça a questão, mas diz que, se a pessoa optar ir por conta própria, é necessário ter alguns cuidados.

“O primeiro passo é conhecer o ambiente. Em segundo lugar, ir à cachoeira o quanto mais cedo possível, para evitar problemas com cabeça d’água ou ficar isolado no local. É importante avisar outras pessoas para onde está indo e qual o caminho vai fazer”, afirma. Também é necessário usar roupas leves, calçados fechados, levar uma mochila com pertences pessoais, toalha, lanterna, lanche e água.

Confira seis roteiros selecionados pelo Viver Bem.

Salto São João, queda d’água com 85 metros de altura. Foto: Divulgação/AEN.

Salto São João

Localizado em Prudentópolis, dentro de uma unidade de conservação do mesmo nome, a queda d’água possui 85 metros de altura e a unidade possui área de aproximadamente 34 hectares.  A estrutura para receber turistas tem 453 metros quadrados, com banheiros, lanchonetes e estacionamento.

O salto fica na Rota das Cachoeiras, a 22 quilômetros do centro de Prudentópolis, sendo sete deles por estrada asfaltada e 15 em estrada de chão batido. Grupos maiores que 15 pessoas precisam agendar a visita com a Secretaria Municipal de Turismo de Prudentópolis pelos e-mails:  [email protected] ou [email protected]

 

Salto São Francisco fica na cidade de Prudentópolis. Foto: Divulgação/Secretaria de Turismo de Prudentópolis.

Salto São Francisco

Considerada a maior queda d’água do Sul do Brasil e uma das maiores do país, possui 196 metros de altura. A queda d’água está localizada no município de Prudentópolis, nos Centro Sul do Paraná, perto do limite com as cidades de Guarapuava e Turvo.

Para chegar até o local é fácil: saindo de Curitiba, basta seguir pela BR-277 em direção ao interior do estado e pegar a saída para a BR-373. Após passar pela Praça de Pedágio do Relógio, entrar a direita na estrada que leva às localidades de Faxinal dos Elias e Guairacá.

 

Salto Cantagalo possui 100 metros de altura. Foto: Facebook/Paraná Ecoturismo.

Salto Cantagalo

Localizado em Morretes, é uma cachoeira de 100 metros de altura. É bastante procurado para prática de rapel. Contudo, a queda d’água fica em uma propriedade particular, na qual só são permitidas visitas guiadas e com prévia autorização. Para chegar ao local, basta seguir pela BR-277 em direção a Paranaguá. Na altura da entrada para o núcleo urbano de Morretes, pegar a saída contrária – à direita – pela Estrada da Limeira, que dá acesso à comunidade rural da região.

Salto da Fortuna

Queda d’água de 40 metros de altura, também fica em Morretes e está dentro do Parque Estadual do Pau Oco. As águas da cachoeira foram uma piscina natural ao chegarem o final da queda. Para acessar ao local, são dois caminhos: saindo de Curitiba pela BR-277, entrar à esquerda na Estrada da Anhaia no km 41; a outra possibilidade é acessar também a Estrada da Anhaia, mas saindo do centro de Morretes.

 

O Salto São Jorge fica em um Cannyon em Ponta Grossa. Foto: Divulgação/Prefeitura de Ponta Grossa.

Cannyon e Cachoeira do Rio São Jorge

Localizada a cerca de 15 quilômetros do centro de Ponta Grossa, nos Campos Gerais, possui cerca de 30 metros de altura, mas há outras pequenas quedas d’água no parque. O espaço possui estrutura para receber visitantes para camping, com sanitários masculino e feminino, além de uma lanchonete e algumas trilhas.

O acesso até o local, saindo de Curitiba, é feito pelas BRs 277 e 376. Ao chegar a Ponta Grossa, seguir até a Avenida Carlos Cavalcanti. Em frente à UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa), seguir pela Rua Valério Ronchi, no sentido norte, e pegar a Rua Arichernes Carlos Gobbo, que dá acesso a Estrada dos Alagados, que corta o parque.

Cachoeiras gêmeas

São pequenos saltos localizados na zona rural de Campo Magro, na Região Metropolitana de Curitiba, que ficam perto de outro ponto bastante conhecido do município: a Lagoa Azul. As duas cachoeiras descem do Morro da Palha. Para chegar às cachoeiras, é necessário seguir pela PR-090, que passa pelo centro de Campo Magro e pegar a Rua João Jacob Manfron Neto e andar por aproximadamente 13 quilômetros, no sentido norte.